Óleo de cozinha: o grande vilão

Você sabia que levantamento inédito da Sabesp, divulgado em julho de 2016, revelou que o óleo de cozinha é o principal responsável por entupimentos no centro da capital paulista?

Entre junho de 2015 e maio de 2016, foram feitos pela empresa 185 reparos por quilômetro de esgoto na região. Isso significa um desentupimento por quilômetro a cada dois dias.

Uma das principais causas do problema é o descarte incorreto do óleo de cozinha realizado pelos restaurantes e bares do centro de São Paulo, alerta a Desentupir Já.

Na cidade, até existe uma lei que obriga esses estabelecimentos a terem uma caixa de gordura. Mas, como não há uma punição prevista para quem desobedecer, essa lei é mais uma daquelas que “não pegou”.

Caixa de gordura

A caixa de gordura funciona como uma espécie de filtro. Ela separa a gordura do restante do esgoto produzido nos restaurantes. O mesmo vale para as casas e condomínios.

Ela acumula a gordura no seu interior e libera apenas a água para o encanamento.

Na falta dela, todo o óleo que fica nos pratos, panelas e utensílios vai ralo abaixo e chega à tubulação em forma de grandes placas de gordura. Essas placas ainda vão encontrar outros detritos, como restos de alimento e cabelo.

As tubulações entram em colapso e o resultado é bem desagradável: o esgoto pode voltar para as casas e estabelecimentos ou vazar pela rua, espalhando o mau cheiro e colaborando para a proliferação de insetos, ratos e baratas.

É verdade que alguns estabelecimentos até possuem a caixa de gordura instalada, mas não dão a devida atenção à sua manutenção.

Via de regra ela deve ser limpa a cada seis meses, porém, no caso de restaurantes e lanchonetes, por exemplo, onde muito óleo acaba indo para o esgoto, essa manutenção deve ocorrer a cada três meses.

O material amarelado, que forma um tipo de casca na caixa, pode ser retirado manualmente ou por meio de bactérias “comem gordura”. Elas são vendidas ensacadas e têm aspecto de farelo.

Além de retirar essas placas, a caixa de gordura deve ser higienizada. Pode ser com água e sabão, mas prefira chamar uma empresa especializada, que utilizará substâncias próprias para isso.

Descarte correto de óleo de cozinha

Descarte correto de óleo de cozinha. Fonte: Sabesp

Descarte correto: o meio ambiente agradece

Mesmo que você tenha uma caixa de gordura e realize a manutenção periódica, evite ao máximo o descarte do óleo de cozinha. Limpe bem os utensílios antes de lavá-los e nunca despeje o óleo usado na pia.

Além dos entupimentos, o óleo de cozinha causa grandes estragos ao meio ambiente.

Lembre-se que essa gordura que passará pela sua tubulação poderá chegar aos mananciais, já que muitos municípios brasileiros ainda não tratam ou tratam uma pequena parcela do seu esgoto.

Como o óleo é menos denso do que a água, ele fica na superfície dos rios e lagos, impedindo a entrada de luz e oxigênio, essenciais para a vida aquática.

O solo também pode ser contaminado pelo óleo, seja pelas águas das margens dos mananciais, seja pelo descarte do óleo juntamente com o lixo orgânico. Ele se infiltra pelo solo e pode poluir os lençóis freáticos.

Até a atmosfera pode ser poluída pelo óleo. Sua decomposição produz gás metano, que é um dos responsáveis pelo efeito estufa.

O melhor a se fazer é levar o óleo usado até um posto de coleta.

 

2017-07-16T18:34:31+00:00